sexta-feira, 18 de setembro de 2015

Quem vai prestar o ENEM precisa saber disso

Ainda dá tempo para ir em busca de um desempenho acima da média na prova de Redação.
A prova de Redação do ENEM  tem um grande peso. Não é à toa que a imprensa busca dar destaque aos melhores colocados nesse quesito: ele serve de linha demarcatória enter os que vão para o topo da classificação geral. Ainda dá tempo para você buscar um desempenho acima da média nessa prova. Vamos ver como isso é possível?

A dissertação objetiva, ou o texto dissertativo-argumentativo, deve respeitar critérios temáticos, de estrutura (ou forma) e de linguagem. Não é nenhum mistério escrever um texto desse tipo, mas é necessário planejar e seguir o planejamento com rigor. Porém, nenhuma dissertação se salva se tratar de temas (ou assuntos) irrelevantes. Naturalmente, conforme se vai estudando e produzindo concretamente textos desse tipo, melhor e mais rápido se produz.

Esta dissertação foi produzida coletivamente pelos jovens do Grupo de Estudos Malcolm X - Morro Doce. Eles se reúnem sob minha orientação nesse bairro da zona Noroeste de São Paulo todas as quintas-feira à noite para estudar para o ENEM e demais vestibulares da universidade públicas.

Imigrantes à deriva no Mediterrâneo
Seguem algumas dicas para a produção de uma dissertação objetiva (argumentativa) sobre um tema específico (no caso, A crise humanitária na Europa hoje).

O tema

Do ponto de vista do TEMA, a dissertação objetiva deve se desenvolver de forma direta e progressiva. E o que significa isso? Significa que:
  • não se pode fugir do tema;
  • o tema tem que ser abordado sem rodeios, sem frases de efeito, sem estratégias retóricas usadas apenas para “encher linguiça”;
  • os tópicos (T1, T2, T3) relacionados ao tema devem ser dispostos em ordem direta, ou seja, se no parágrafo introdutório eu disse que tratarei de X, Y e Z aspectos, não poderei inverter a ordem nos próximos parágrafos, nem ficar voltando ao que já foi tratado.

A estrutura


Do ponto de vista da ESTRUTURA, ou forma, a dissertação objetiva precisa ter início, meio e fim; ou introdução, desenvolvimento e conclusão:


INTRODUÇÃO: Primeiro parágrafo (que deve apresentar o tema e os tópicos relacionados a ele). Deve ser objetivo, tendo, para uma redação de 30 linhas, no máximo, entre 4 e 6 linhas. Sua única função é avisar o leitor sobre o tema a ser tratado, os tópicos relacionados a ele e a ordem em que serão abordados no texto.

DESENVOLVIMENTO: Os parágrafos intermediários tratam, cada qual, de seu tópico específico. Para cada tópico, um parágrafo. Mas o que é um parágrafo? Uma unidade escrita que trata de um único tópico. Numa redação de 30 linhas, deve-se selecionar não mais do que 3 tópicos (T1, T2, T3), pois não haverá espaço para mais, uma vez que um parágrafo de desenvolvimento temático aceitável fica em torno de 8 linhas.

CONCLUSÃO: O último parágrafo é o dedicado à amarração do texto, a partir das argumentações empregadas nos parágrafos de desenvolvimento temático. Deve ser sucinto, portanto, menor que os intermediários, e apresentar claramente proposta de solução para os problemas elencados – ainda que essa proposta seja algo generalizante e não conclusiva.

A linguagem

Do ponto de vista da LINGUAGEM, dever ser empregado o português culto, formal - porém sem pedantismo ou floreios:

Na ortografia: letras legíveis, correção na escrita, na acentuação das palavras e na pontuação das frases (jamais aqui empregar o ponto de exclamação (!) ou reticências (...), pois eles indicam emoção, o que não é admitido em uma dissertação objetiva, que deve primar pela razão e pelo equilíbrio.

Na morfologia: emprego do português formal, culto, evitando-se o empregos de substantivos, porém usando-se verbos de reflexão, que possibilitem análise e interpretação de problemas, eventos, fatos etc. (observar, dividir, considerar, segmentar, comparar, analisar, interpretar, deduzir, somar, extrair, refletir,  inferir, apreciar etc.) Se houver predominância de verbos auxiliares (ser, estar, ter, haver, ficar, parecer, semelhar) ou sinônimos ocasionais, estaremos no campo da descrição, não da dissertação, o que desfigura o texto dissertativo. Por outro lado, se empregarmos, por descuido, excesso de verbos de ação (cair, levantar, ir, pegar, correr, fazer, transmitir etc.), estaremos no reino da narração. Para articular (ou seja, juntar palavra com palavra, conjuntos de palavras, orações) devem ser empregadas as preposições, as conjunções coordenativas e as subordinativas, e os pronomes (com especial atenção para os relativos). Não custa nada ir ao livro de gramática ou na internet e ver como eles funcionam. Com relação a adjetivos, advérbios, palavras ou frases expressivas (péssimo, horrorosa, horrível, maravilhosa, genialmente): esses usos expressivo implicam em emoção. Emoção significa subjetividade – o que deve ser evitado a todo custo num texto objetivo.

Na sintaxe: Deve predominar os períodos compostos, de preferência por subordinação. Neles, as conjunções (coordenativas e subordinativas) são decisivas, pois são elas as principais responsáveis pela articulação das orações em períodos compostos. Também são elas que introduzem na forma de orações subordinadas os argumentos lógicos (pois sua função é exatamente essa) – há conjunções explicativas, conclusivas, temporais, consecutivas etc. Orações curtas e simples não favorecem o desenvolvimento da argumentação, daí a importância do emprego das orações subordinadas.

Planejamento

A segmentação temática

A primeira coisa a ser feita quanto já temos um tema definido, é segmentá-lo, ou seja, dividi-lo. Às vezes, é necessário comparar dois ou mais textos para extrair deles o nosso tema. Porém, uma vez feito isso, a sequência de produção da dissertação objetiva é a mesma.
Como fazer para segmentar um tema? Podemos pesquisar assuntos relacionados a ele, se estivermos em casa ou se tivermos tempo para isso. Porém, diante de uma prova, o que devemos fazer é deixar a mente livre para pensar no tema e ir anotando num rascunho palavras-chave ligadas a ele. Por exemplo:

“A crise humanitária na Europa hoje”.

Vamos supor um “brain storm” de uma mente só, a sua, sobre esse tema que o leve a anotar:

Repressão aos imigrantes
Navio afundado com imigrantes
Imigração clandestina
Foto de menino afogado na praia da Turquia
Guerras e destruição nos países de origem dos imigrantes
Medo de terrorismo nos países da Europa
Crise econômica mundial
Crise econômica na Europa
Repercussão na mídia mundial
Socorro às vítimas de naufrágio
Rejeição das populações europeias aos imigrantes
Ajuda humanitária aos refugiados
Sanduíches atirados aos sobrevivente de naufrágio
Família agarrada a trilho de trem na Hungria.
Repressão aos imigrantes
Travessia do Mediterrâneo
Reação das populações locais
Condições dos países de origem
Condições dos países de destino
Quantidade de imigrantes
Opinião pública mundial
Preconceito contra imigrantes
Terrorismo
Qualidade do acolhimento dos imigrantes
O peso econômico dos imigrantes nas economias europeias
Mortes nas travessias
Desemprego nos países de origem e destino

A definição dos tópicos

Se observarmos bem, podemos agrupar essas ideias soltas REGISTRADAS POR ESCRITO em três conjuntos: questões políticas, questões econômicas e questões estritamente humanitárias.
Aí estão os três tópicos relacionados ao tema, dos quais trataremos cada qual em seu respectivo parágrafo, explorando os itens anotados, que podem ser em quantidade maior do que o que se registrou no quadro acima, selecionados e ordenados hierarquicamente.

A ordem dos tópicos na redação ainda não precisa ser decidida nesse momento. O momento é de planejar cada parágrafo, decidindo quais itens listados serão tratados em cada parágrafo, e em que ordem.

Redigindo o parágrafo dissertativo-argumentativo

Para cada parágrafo, precisamos definir 3 itens relevantes, a serem hierarquizados, ou seja, dispostos uma após outro de maneira lógica e direta.

Por que apenas 3 itens? Porque para um parágrafo de 8 linhas, se gastarmos em média duas linhas e meia para cada item, já teremos atingido o limite.

Comecemos pelo tópico “questões políticas” relacionadas ao tema.

Como pode ficar nosso parágrafo? É só dispor os itens e redigir nas lacunas entre eles:

ITEM 1: O terrorismo.
ITEM 2: Guerras em curso no Oriente Médio.
ITEM 3: Imigração clandestina.

Na esfera política europeia, o terrorismo é uma enorme ameaça que já tem feito vítimas recentemente, e tem origem nas guerras em curso no Oriente Médio, cuja consequência imediata é a imigração clandestina.

(Como se trata aqui de  um rascunho, podem haver erros, que devem ser sanados na redação final).

Agora as estritamente o tópico “questões humanitárias”:

Como pode ficar nosso parágrafo? É só dispor os itens e redigir nas lacunas entre eles:

ITEM 1: Condições dos países de origem dos imigrantes.
ITEM 2: Viagens clandestinas e desastres na travessia do Mediterrâneo repercutidos pela mídia.
ITEM 3: Conflitos na fuga para a Alemanha e reação das populações locais.

No que diz respeito às questões humanitárias, devem ser levadas em consideração as precárias condições dos países de origem dos imigrantes, países que se encontram destruídos econômica, política, social e culturalmente devido a tais condições, os habitantes testam a sorte em viagens clandestinas cujos resultados são os desastres na travessia do Mediterrâneo e os conflitos na fuga para a Alemanha, tão repercutidos pela mídia. Outro aspecto a ser levado em consideração é a reação das populações locais, que nem sempre são cordiais.

(Como se trata aqui de  um rascunho, podem haver erros, que devem ser sanados na redação final).

Agora o tópico sobre as “questões econômicas”:

T1: Infraestrutura destruída dos países de origem.
T2: Desemprego nos países de origem e nos de destino.
T3: Crise econômica mundial.

Como pode ficar nosso parágrafo? É só dispor os itens e redigir nas lacunas entre eles:

Com relação aos aspectos econômicos devem ser levados em conta fatores decisivos para a compreensão dessa tragédia humana contemporânea, entre os quais o da infraestrutura destruída dos países de origem dos imigrantes pelas guerras no Oriente Médio. Outro fator envolvido é o desemprego nos países de origem e no destino dos imigrantes. O desemprego, como se sabe, causa fome, miséria, violência, trabalho infantil e escravo; o que acentua a desigualdade social.Um terceiro fator decisivo para a compreensão dessa tragédia é a crise econômica mundial.Essa crise agrava os problemas já citados, e os órgãos econômicos internacionais não estão correspondendo às necessidades do momento.

(Como se trata aqui de  um rascunho, podem haver erros, que devem ser sanados na redação final).

Finalizando a dissertação

Compondo a redação

Redigidos esses parágrafos, é o momento de decidir qual é, na parte do desenvolvimento temático da redação, o primeiro, o segundo e o terceiro. Dependendo da ordem, pequenos ajustes precisarão ser feitos para dar maior coesão entre eles.

Redigindo os parágrafos introdutório e conclusivo

Feito isso, escreve-se o parágrafo introdutório, que nada mais é do que o tema, mais os tópicos selecionados, na ordem em eles aparecerão na forma final da redação:
A crise humanitária na Europa, amplo senso, envolve três dimensões: a política; a humanitária (estrito senso); e a econômica.

Se você observou bem, a argumentação surge quando um tópico (argumento) é abordado concretamente em seus itens específicos. Isso você fez quando preencheu as lagunas entre os itens de maneira lógica (isso se chama sustentar o argumento).

Por fim, redige-se o parágrafo de conclusão, que deve ser coerente com os argumentos apresentados nos parágrafos de desenvolvimento temático.

            A crise, assim, necessitaria de soluções amplas, complexas e ao longo, talvez, de décadas.

Resumo

Assim a redação ganha a seguinte forma:

Introdução
1º parágrafo
Tema + T1 + T2+ T3
Desenvolvimento
2º . parágrafo
3º. Parágrafo
4º. parágrafo
Desenvolvido por argumentação e contra-argumentação (Tópico do parágrafo mais itens selecionados, organizados e abordados em ordem direta e sequencial).
Conclusão
5º. Parágrafo
Amarração dos argumentos e apresentação de proposta coerente com os problemas levantados

Observe que o desenvolvimento temático não é um acaso, mas é fruto do planejamento que, ao definir os tópicos e ordená-los um após outro, obriga-nos a, seguido com rigor, tem como resultado a progressão da argumentação, que vai de um a outro tópico, sem possibilidade de retorno a itens já tratados.

A dissertação finalizada

Se você percebeu, a produção da dissertação objetiva, argumentativa, tem 3 etapas: o planejamento, a redação e a composição, que a rigor é um processo de montagem de partes produzidas em momentos diferentes. Por isso que a produção  de redação é  também legitimamente chamada de “composição”.

Vejamos como fica uma dissertação objetiva concretamente produzida para esse tema, com correções e eventuais ajustes (a lógica e o processo vale para todas):

A crise humanitária na Europa hoje

1
A crise humanitária na Europa, amplo senso, envolve três dimensões intimamente ligadas: a política; a humanitária estrito senso; e a econômica.

Na esfera política, o temor em relação a ações terroristas é um enorme, pois ele tem feito vítimas em território europeu recentemente; esse tipo de violência, nos dias atuais,  tem origem nas guerras em curso no Oriente Médio, cuja consequência imediata é a imigração clandestina em massa.

No que diz respeito às questões humanitárias, devem ser levadas em consideração as precárias condições dos países de origem dos imigrantes, países que se encontram destruídos econômica, política, social e culturalmente. Devido a tais condições, os habitantes testam a sorte em viagens clandestinas, cujos resultados são os desastres na travessia do Mediterrâneo e os conflitos na fuga para a Alemanha, tão repercutidos pela mídia.Outro aspecto a ser levado em consideração ainda é a reação das populações locais, que nem sempre são cordiais.

Por fim, com relação aos aspectos econômicos, devem ser levados em conta alguns fatores decisivos para a compreensão dessa tragédia humana contemporânea, entre os quais o da infraestrutura dos países de origem dos imigrantes, destruída por guerras sucessivas; outro fator envolvido é o desemprego nos países de origem e nos de destino dos imigrantes. O desemprego, como se sabe, causa fome, miséria, violência, trabalho infantil e escravo, problemas que acentuam a desigualdade social;  um terceiro fator econômico decisivo para a compreensão dessa tragédia é a crise econômica mundial, que agrava ainda mais os problemas já citados, sem que os órgãos econômicos internacionais correspondam às necessidades do momento.

A crise humanitária na Europa, assim, é uma no interior de outras ainda maiores, todas necessitando de soluções amplas, complexas e no curso, talvez, de décadas.
2
3
4
5
6
7
8
9
10
11
12
13
14
15
16
17
18
19
20
21
22
23
24
25
26
27
28
29
30



RESUMO ESQUEMÁTICO



COMENTE ESTA POSTAGEM APONTANDO ERROS OU SUGERINDO MELHORAS, TODOS ASSIM GANHAM.


Jeosafá foi da equipe do 1o, ENEM, em 1998, e membro da banca de redação desse Exame em anos posteriores. Compôs também bancas de correção das redações da FUVEST nas décadas de 1990 e 2000. Foi consultor da Fundação Carlos Vanzolini da USP, na área de Currículo e nos programas Apoio ao Saber e Leituras do Professor da Secretaria de Educação de São Paulo na gestão José Serra. É escritor e professor Doutor em Letras pela Universidade de São Paulo. Autor de mais de 50 títulos por diversas editoras, lançou em 2013 O jovem Mandela (Editora Nova Alexandria);  em maio de 2015, nos 90 anos de Malcolm X, O jovem Malcolm X, pela mesma editora; no mesmo ano publicou A lenda do belo Pecopin da bela Bauldour, tradução do francês e adaptação para HQ do clássico de Victor Hugo, pela editora Mercuryo Jovem. Leciona atualmente para o a Educação Básica e para o Ensino Superior privados.

domingo, 13 de setembro de 2015

Os negreiros que chegaram aos EUA deixaram seus rastros nas Antilhas

Quando e escritora Maryse Condé, natural da ilha de Guadalupe e radicada nos EUA, conta a história de Titubá, a feiticeira negra do Salem, entre outras passagens duras e comoventes, uma das mais perturbadoras retrata a protagonista, ainda menina, a observar a mãe, pendurada pelo pescoço no galho de uma árvore, a balançar desengonçada.  

Qual o crime de Abená, a infeliz mãe de Titubá? Ferir sem a menor gravidade seu senhor, ao defender-se de uma tentativa de estupro – ela, cuja filha Titubá era já fruto do estupro cometido por um marinheiro inglês, sob o riso cúmplice de escárnio dos companheiros de embarcação.


Criada por uma segunda mãe, também escrava, Titubá, nascida numa ilha de Barbados mergulhada na escravidão das plantações de cana-de-açúcar, terá de aprender a duras penas a lição de como dominar seu ódio contra os opressores, porém, ao longo de sua vida, cuja extensão e fim a história documental ignora, as humilhações e injustiças que verá e viverá acumularão matéria de combustão em sua raiva. E nem sempre, embora raramente, Titubá resistirá ao impulso de revide.

O livro Moi, Tituba, sorcière... noire de Salem (Eu, Titubá, feiticeira negra de Salem) merece ser lido – e há tradução em português, se bem que a versão pocket da francesa da Mercure de France, para quem domine o idioma, seja um espetáculo de palavras. Porém o assunto aqui é Malcolm X, e se o leitor não se deu conta, trato dele desde o primeiro parágrafo.

Tanto quanto Titubá, a vida de Malcolm X foi uma provação sobre a Terra. Seu pai Earl Little, militante das lutas do movimento de Marcus Garvey, após migrar para o norte dos EUA fugindo do massacre contra negros nos estados do sul, no início do século 20, terminou morto, chacinado por membros de um grupo de ódio racial. Sua mãe, Lousie Norton, branca de cabelos ruivos, fruto do estupro cometido por um trabalhador irlandês, deprimida e mergulhada nas dificuldades financeiras, sozinha a cuidar da prole, enlouquece. Disso resulta que as crianças da família são distribuídas, pelo serviço social, em vários lares adotivos.

Tanto quanto Titubá, Malcolm X não conhece sua raiz familiar, pois até mesmo o frágil laço estabelecido pelo nome foi quebrado pelo apagamento do elo de ancestralidade, quando da venda seus antepassados nos mercados negreiros da América.

Empurrada para o cárcere pelos ardis do ódio racial, do preconceito e da injustiça, Titubá conhecerá por dentro as engrenagens do belo sistema judiciário e penal da América – e aqui não se fala apenas dos EUA, uma vez que por todo o continente se reproduzem as estruturas de um sistema que não esconde sua natureza de escudo dos ricos, e que transborda em sarcasmo contra os pobres e os mais fracos.

As semelhanças entre a biografia romanceada de Titubá, personagem histórica do século 17, e o que se sabe da vida de Malcolm X, um dos maiores protagonistas da luta por igualdade do século 20, não cessam por aí. É mesmo um exercício irônico comparar o que vai no livro da professora da Columbia University, com o que as pesquisas revelam da vida do líder norte-americano, patrono de praticamente todos os grupos de hip hip do mundo. Duas das mais eloquentes são, com certeza a insistência, o cuidado e a meticulosidade com que o stablishment busque, a todo custo, eliminá-los da História (com H maiúsculo); a outra é a espetacular capacidade de resistência e permanência que esses personagens demonstram ao longo do tempo, no curso do qual vão-se convertendo em verdadeiros mitos contemporâneos, que, ao que tudo indica, atravessarão os séculos e, no futuro distante, serão lidos como hoje se lê e conhece Pandora e Prometeu.



Jeosafá é escritor e professor Doutor em Letras pela Universidade de São Paulo. Autor de mais de 50 títulos por diversas editoras, lançou em 2013 O jovem Mandela (Editora Nova Alexandria). e em maio deste ano, nos 90 anos de Malcolm X, O jovem Malcolm X, pela mesma editora.

quarta-feira, 9 de setembro de 2015

CORAÇÃO DE ESTUDANTE: Indivíduo, cidadão, ser humano

Encontro com estudantes do Colégio ECO, na Lapa, em 2013, a propósito de meu livro O diário secreto das Copas.
Notas de uma aula voluntária para os estudantes da 6ª. Semana Acadêmica de Educação Física e da Pedagogia da Faculdade Mário Schenberg (26/08/15) e para a Casa Pia Externato São Vicente de Paulo (24/10/15).

Relações de ensino-aprendizagem: Ética, Valores e Cidadania


Faculdade Mário Schenberg - Aula comunitária
26/08/15
Na conversa que tivemos recentemente, debatemos as sutis diferenças entre indivíduo, cidadão e ser humano.  Procuramos estabelecer os limites aceitáveis entre essas três dimensões de uma mesma realidade (a realidade humana). O tempo foi pouco para um maior aprofundamento, mas a verdade é que nenhum tempo do mundo seria suficiente para esgotarmos o assunto, sobre o qual oceanos de tinta têm sido gastos em compêndios e mais compêndios de filosofia, sociologia, antropologia, história, geografia e demais ciências ditas humanas.

Porém, tivemos sucesso ao pôr em foco o debate sobre as condições mínimas necessárias para existência do indivíduo, para a instauração do cidadão e para o entendimento razoável do que seja o ser humano.

Com contribuição do colega professor José Evaristo Silvério Netto, vimos que indivíduo, cidadão e ser humano são dimensões indissociáveis: não se oprime uma sem se violentar as outras duas; por outro lado, ao se promover uma, as demais também se desenvolvem obrigatoriamente.

Quando nascemos, somos um indivíduo da espécie. Nessa condição básica, somos incapazes de
Casa Pia Externato São Vicente de Paulo
Aula comunitária - 24/10/15.
prover nossa própria existência. Porém, incapazes de decidirmos por nossa conta, ao sermos acolhidos pelos demais membros de nossa espécie, somos introduzidos no âmbito da humanidade, que nos dias de hoje exige o imediato reconhecimento do direito à cidadania. Por isso é hoje (mas em outra épocas não) obrigatório o registro de nascimento, no qual uma humanidade específica (de um país, de um estado ou província, de uma cidade) faz constar o compromisso que ela assume conosco logo ao nascer, identificando pai, mãe, data e local de nascimento, naturalidade e nacionalidade. Ou seja, não se nasce humano: torna-se humano (nos mesmos termos que Simone de Beaovoir afirma: “Não se nasce mulher: torna-se mulher”).

Nossa discussão ficou bastante presa à polêmica de até que ponto a dignidade humana aceita que o indivíduo seja violentado para que permaneça vivo apenas em suas funções puramente fisiológicas. Vimos que essa é uma discussão ética bastante dramática, mas que não se deve resvalar para o terreno da moral, seja ela religiosa, política ou de grupo ideológico – pois se abriria aí a possibilidade de a moral de um grupo, portanto restrita, impor seus valores aos demais grupos que compõe o conjunto da humanidade.

Ora, mas o que é ética? O que é moral?

O assunto é extenso. Para fins absolutamente didáticos, abro aqui espaço para um quadro sinóptico comparativo (e todo conhecimento é um conhecimento comparado, já nos ensinaram os mestres das ciências da educação) menos para explicar, mais para investigar:

Quanto
A Ética
A Moral
Ao alcance
É ampla e busca alcançar a humanidade como um todo.
É restrita e válida apenas no interior de um grupo humano específico.
Busca encontrar nas diversas morais pontos de convergência que tornem possível a convivência humana.
Prescreve regras de conduta obrigatória para a constituição e sobrevivência do grupo.
Ao estabelecimento das normas de convívio social e humano.
Tende à incorporação das descobertas, inovações e revoluções científicas
Tende à manutenção das tradições do grupo e à resistência a mudanças.
À função
É o campo especulativo, da reflexão filosófica, do estudo, da pesquisa, das leis e normas gerais de convívio humano.
É o campo reprodução ideológica e dos costumes, da prescrição de normas de conduta e de controle do indivíduo.
À análise de fatos concretos
Tende à objetividade.
Tende à subjetividade.
Tende à síntese na forma de conceito generalizante a partir de observações de fatos humanos concretos.
Tende ao juízo de valor a partir das normas grupo social, convertidos em “pré”-conceitos e preconceitos.
Busca o possível e aceitável a partir dos pontos convergentes.
Busca o obrigatório e o compulsório a partir da ótica do grupo.
Mobiliza a razão.
Mobiliza a emoção.
Tende à mediação.
Tende à polarização.


O quadro acima poderia ser estendido e, a título de lição de casa, os estudantes poderiam ir opondo linha a linha elementos de ética e moral, de maneira a, organizando o que já sabem, compor um quandro mais completo a partir de suas próprias experiências e intuições. Porém, não me ofenderia se uma estudante dissesse: "Para que essa lição de casa?", ou, "Para que esse quadro?", ou ainda "Para que ética e moral?" - o que me obrigaria a estudar mais e a discorrer mais sobre o assunto (e isso tudo seria muito bom para mim e não só para essa eventual estudante inquieta).

Quando estamos à frente de uma sala de aula, ou de um grupo heterogêneo, precisamos refletir com o máximo cuidado sobre nossas ações e palavras, pois somos a um só tempo indivíduos, cidadãos e seres humanos éticos e morais.

Caso não nos coloquemos na posição de quem busca os pontos convergentes entre todos os indivíduos, cidadãos e seres humanos desse grupo heterogêneo (portanto composto diversas éticas e morais), fatalmente resvalaremos para uma verdadeira guerra de valores, na qual cada um, instigado pela nossa própria parcialidade, se sentirá autorizado a defender a sua própria ética e a sua própria moral, lançando, nesse caso, mão das armas necessárias para fazê-las triunfar sobre as outras a qualquer custo.

Se eu considero o MEU conceito de vida O conceito de vida, o MEU conceito de feio O conceito de feio, o MEU conceito de Deus O conceito de Deus, então eu estou autorizado a punir todos os que não concordam comigo, pois, nesse caso, eu, mais do que estar certo, sou a própria certeza.

Muitas vezes a sala de aula se torna o campo da punição, do medo e da esterilidade. Quando um aluno tem medo de errar, ele passa a repetir sem raciocinar tudo que o professor fala - e o mesmo vale para um líder diante de seus liderados, seja um pastor, um padre, um dirigente sindical ou político.

O erro é a oportunidade de diálogo entre professor e estudante, entre o líder e o liderado,  é o campo fértil da pesquisa, da troca de ideias em que todos dão e recebem. Porém, se eu, professor, líder, estou sentado no trono das certezas, o que faz um aluno ou liderado a não ser assumir um papel secundário, submisso, sem brilho, opaco como o alumínio (que na natureza é fosco – daí vem a palavra “alumno">aluno”), que só brilha com uma bela esfregada do saber do professor (e mesmo nesse caso ele não faz mais que refletir a inteligência e a sabedoria do mestre)?

No entanto, a carreira de professor (e do líder consciente não manipulador) é eminentemente humanista, ou seja, seu papel  é o de contribuir para que a inteligência, as emoções, as habilidades do aluno se desenvolvam para que ele, deixando paulatinamente a condição de aluno (eterno dependente do mestre, do líder), se converta de uma vez para sempre em eterno ESTUDANTE – um indivíduo, um cidadão, um ser humano integral que pensa, age, cria por conta própria e assume os riscos dessa sua liberdade de pensamento e expressão, liberdade que precisa ser ensinada e compartilhada também.

O que queremos em nossa sala de aula, em nossos auditórios e praças públicas? Um eterno aluno (ser humano incompleto, cidadão de segunda categoria, em processo, ainda não de posse da liberdade inerente à sua condição humana) ou um estudante?

Um aluno jamais confrontará a ética e a moral de seu mestre ou líder, mas um estudante questionará o tempo todo a ética e a moral de seu professor, mas de sua família, a sua própria, a de seus pares, a da  sociedade em que está inserido. A ética e a moral hoje vigente correspondem a suas expectativas de indivíduo, cidadão e ser humano?

Penso que a maior tarefa daqueles que se dedicam à educação nos dias de hoje é de auxiliar a que nossas crianças, adolescentes, jovens e adultos sentados (por que eternamente sentados?) nos bancos escolares façam a transição difícil da condição de alunos [(“alumno = a (sem) lumno (luz)” opaco por natureza] à de estudante – que mesmo na mais tenra idade está coberto de razão quando pergunta à professora ou ao professor: Por que isto? Por que aquilo? Por que essa aula? Por que essa lição de casa? Por que essa tarefa tão fácil? Por que essa prova tão difícil? Ou... por que essa greve?

Penso que quem não estiver preparado para essas perguntas, deve refletir profundamente sobre o que faz à frente de uma sala de aula, ou de um auditório, ou de uma praça pública. Se não é para formar indivíduos, cidadãos e seres humanos livres, no mais amplo sentido desse termo, então para que mesmo? Aliás, por que será que a canção de Milton Nascimento se chama Coração de Estudante, não “coração de aluno”?

Os temas bullying", assédio e preconceito serão tratados na segunda parte, que em breve publicarei neste mesmo blog.


Jeosafá é escritor e professor Doutor em Letras pela Universidade de São Paulo. Autor de mais de 50 títulos por diversas editoras, lançou o ano passado O jovem Mandela (Editora Nova Alexandria). e lança em maio deste ano, nos 90 anos de Malcolm X, O jovem Malcolm X, pela mesma editora.