terça-feira, 17 de abril de 2018

COPA DO MUNDO: O que está por detrás dos gramados


A Copa do Mundo de Futebol está chegando, e esta é uma excelente oportunidade para despertar em adolescentes e jovens o interesse na leitura. O Diário Secreto das Copas é um livro de leitura agradável e instigante que faz o leitor viajar pelas Copas do Mundo, desde 1930, no Uruguai, até a edição mais recente, no Brasil, de 2014, precedida por manifestações de protesto que varreram o país.

O livro, na forma de ficção, contextualiza na história cada edição da Copa, e detalha segredos e eventos (nem sempre conhecidos do público, nem exatamente alegres) que acompanharam as seleções nos gramados, tais como o uso político do futebol, a exemplo da Itália fascista de Mussolini, em 1934, ou do terremoto que destruiu o Chile e quase inviabilizou a Copa de 1962.

Tudo isso ocorre a partir do diário de uma avó deixado em segredo como herança para a neta. Casada com um jornalista esportivo, a avó viajou o mundo, atravessando continentes, enfrentando tragédias (como a II Guerra, que interrompeu a disputa da Copa) e ditaduras (como as de Argentina e Brasil, que se enfrentaram em campo em 1978), mas também vivendo as glórias da vitória sobre o III Reich, as emoções da campanha das Direta Já e as tensões das megamanifestações de 2013, muitas das quais contrárias à Copa no Brasil. Mas muito além de todas as Copas, um segredo vital unirá a avó e a neta.



JEOSAFÁ, professor, foi da equipe do 1o. ENEM, em 1998, e membro da banca de redação desse Exame em anos posteriores. Compôs também bancas de correção das redações da FUVEST nas décadas de 1990 e 2000. Foi consultor da Fundação Carlos Vanzolini da USP, na área de Currículo e nos programas Apoio ao Saber e Leituras do Professor da Secretaria de Educação de São Paulo. É escritor e professor Doutor em Letras pela Universidade de São Paulo. Autor de mais de 50 títulos por diversas editoras, entre os quais O jovem Mandela (Editora Nova Alexandria);   O jovem Malcolm X A lenda do belo Pecopin e da bela Bauldour, tradução do francês e adaptação para HQ do clássico de Victor Hugo, pela editora Mercuryo Jovem. Leciona atualmente para a Educação Básica e para o Ensino Superior privados.

terça-feira, 10 de abril de 2018

A EQUAÇÃO LULA É UM FURACÃO


As forças, muitas das quais escondidas na sombra, a exemplo dos EUA, não conseguem resolver uma equação que julgaram simples demais: a equação Lula.

Com o golpe contra a presidenta Dilma e o encarceramento de Lula, as forças do golpe de Estado davam por certo livre o caminho para fazerem do país uma neocolônia de exploração exclusiva dos EUA. Porém a forma como Dilma resistiu e vem resistindo e a forma como Lula reage às cartas marcadas dos gorilas de Curitiba, retomando sempre a ofensiva, acrescentam incógnitas sobre incógnitas à equação que, assim, se vai complicando e assumindo feições de verdadeira metamorfose ambulante.

Os golpistas julgaram que a prisão de Lula solucionava a equação principal do golpe, o que lhes abriria um verdadeiro clarão no tabuleiro do xadrez político que armaram. Porém vão descobrindo que cada movimento contra Lula tem como resultado algum efeito colateral fortemente desastroso para o próprio golpe, resultante das reações inesperadas do próprio Lula. A equação cresce em progressão e em complexidade, gira, forma um vórtice e vai engolindo tudo a sua volta.

O mandado ilegal de prisão - não impetrado, mas cometido, pois se trata de um ato que afronta o próprio STF -  deu a Lula um palanque global. No país e no mundo as atenções estão voltadas para Lula e os próximos episódios de sua jornada épica. Moro não tem mais o que fazer em seu xadrez tosco: perdeu seu último movimento no tabuleiro jurídico e assiste agora o jogo saltar para a arena política. Lula está preso, mas a um palanque colossal que o vaidoso e limitado juiz de província foi montando como um enxoval de noiva.

JEOSAFÁ, professor, foi da equipe do 1o. ENEM, em 1998, e membro da banca de redação desse Exame em anos posteriores. Compôs também bancas de correção das redações da FUVEST nas décadas de 1990 e 2000. Foi consultor da Fundação Carlos Vanzolini da USP, na área de Currículo e nos programas Apoio ao Saber e Leituras do Professor da Secretaria de Educação de São Paulo. É escritor e professor Doutor em Letras pela Universidade de São Paulo. Autor de mais de 50 títulos por diversas editoras, entre os quais O jovem Mandela (Editora Nova Alexandria);   O jovem Malcolm X A lenda do belo Pecopin e da bela Bauldour, tradução do francês e adaptação para HQ do clássico de Victor Hugo, pela editora Mercuryo Jovem. Leciona atualmente para a Educação Básica e para o Ensino Superior privados.

domingo, 8 de abril de 2018

UM NASCE PARA OS BRAÇOS DO POVO, OUTROS PARA ENFEITE DE PUTEIRO

E assim ficou resumido este estágio da luta: um nos braços do povo, outros, comemorados no puteiro.

As duas imagens mais simbólicas produzidas pela realidade brasileira nos últimos dias são a do presidente Lula carregado nos braços do povo e a da homenagem de Oscar Maroni, proprietário do puteiro de luxo Bahamas, em Moema, São Paulo, a Sérgio Moro e Carmen Lúcia.

Após a negação do habeas corpus a Lula, na 4a. feira passada (04/04/18), e a decretação de prisão expedida por Moro, sem que o STF tivesse tido sequer tempo de publicar sua decisão, a mídia golpista entrou em frenesi à cata da imagem perfeita para estampar em seus noticiários e suas capas de jornais e revistas.

Porém a decisão tomada por Lula de resistir à prisão, tanto quanto o mandado de prisão ilegal de Moro, deixou essa mesma mídia carniceira como barata tonta. Sobrevoando o Sindicato dos Metalúrgicos, a Rede Globo, roubando o sinal da TVT, tentava a todo custo a primeira imagem de Lula preso. Gastou fortuna em combustível, e saiu frustrada.

Demais emissoras e jornais tentavam antecipar, como abutres, no interior do Sindicato ou em sua porta, o momento da derrota do maior líder que a classe operária já produziu no país. Porém essa derrota não vinha e a iniciativa, que esteve com o STF e depois com o juizeco de Curitiba, agora estava totalmente com Lula, que magistralmente passou a controlar tanto o protocolo de sua apresentação à justiça, quanto a narrativa do momento e (o pior para a mídia e para os próprios golpistas) o monopólio da produção verdadeiramente industrial de imagens - daquelas incessantes de resistência no Sindicato, difundidas pela própria mídia golpista em tempo real durante três dias, àquelas dos protestos em 24 capitais do país em apoio a Lula.

De quinta feira ao momento de sua saída a pé do Sindicato para ingressar no comboio passivo e derrotado da Polícia Federal, depois sua chegada a Curitiba ontem, (07/04/18) com a Polícia do PSDB atirando contra manifestantes, Lula este esteve soberano, e converteu sua prisão num momento apoteótico, de glória e resistência, cujas imagens se espalham agora pelo mundo.

Porém, desse oceano de imagens, duas viralizaram nas redes sociais: a do presidente carregado nos ombros por uma multidão à porta do Sindicato, e a dos retratos de Sérgio Moro e Carmen Lúcia na parde do puteiro de luxo Bahamas, do cafetão condenado e solto pelo STF, Oscar Maroni, que ofereceu cerveja de graça em comemoração à decisão dos dois data venia ilustres magistrados. E assim ficou resumido este estágio da luta: um nos braços do povo, outros, comemorados no puteiro.

(A foto histórica de Lula nos braços do povo é do jovem de 18 anos Francisco Proner).

DISCURSO DE LULA ONTEM

Eu tenho dito em todo discurso: não adianta tentar de me impedir de andar por este país, porque tem milhões e milhões de Boulos, de Manuelas, de Dilmas Rousseffs neste país para andar por mim. Não adianta tentar acabar com as minhas idéias, elas já estão pairando no ar e não tem como prendê-las. Não adianta parar o meu sonho, porque quando eu parar de sonhar, eu sonharei pela cabeça de vocês e pelos sonhos de vocês", disse Lula.

Não adianta achar que tudo vai parar o dia que o Lula tiver um infarto, é bobagem, porque o meu coração baterá pelos corações de vocês, e são milhões de corações. Não adianta eles acharem que vão fazer com que eu pare, eu não pararei porque eu não sou um ser humano, sou uma ideia, uma ideia misturada com a ideia de vocês, e eu tenho certeza que companheiros como os sem-terra, o MTST, os companheiros da CUT e do movimento sindical sabem, e esta é uma prova, esta é uma prova, eu vou cumprir o mandado e vocês vão ter de se transformar, cada um de vocês, vocês não vão se chamar chiquinho, zezinho, joãozinho, albertinho...

JEOSAFÁ, professor, foi da equipe do 1o. ENEM, em 1998, e membro da banca de redação desse Exame em anos posteriores. Compôs também bancas de correção das redações da FUVEST nas décadas de 1990 e 2000. Foi consultor da Fundação Carlos Vanzolini da USP, na área de Currículo e nos programas Apoio ao Saber e Leituras do Professor da Secretaria de Educação de São Paulo. É escritor e professor Doutor em Letras pela Universidade de São Paulo. Autor de mais de 50 títulos por diversas editoras, entre os quais O jovem Mandela (Editora Nova Alexandria);   O jovem Malcolm X A lenda do belo Pecopin e da bela Bauldour, tradução do francês e adaptação para HQ do clássico de Victor Hugo, pela editora Mercuryo Jovem. Leciona atualmente para a Educação Básica e para o Ensino Superior privados.