terça-feira, 25 de abril de 2017

MORO À BEIRA DE UM ATAQUE DE NERVOS

Um dia Moro quer ver Lula 87 vezes, noutro, diz que vai adiar o depoimento de Lula que ele mesmo marcou com meses de antecedência. Preparem a camisa de força para esse cavalheiro.

O massacre da rede Globo nos últimos dias e o chilique de Moro (que, de raiva, disse querer ver Lula 87 vezes nos próximos meses) falharam grotescamente, e tiveram como consequência uma desorientação geral na República Clandestina de Curitiba, particularmente em seu verdugo-mor.

Após o bizarro depoimento de Léo Pinheiro, ex-presidente da OAS, usado para fazer cortina de fumaça às delações da Odebrecht (que afundaram o PSDB, com Aécio, Álckmin, Serra e FHC dentro) a ofensiva Globo-Moro tinha por objetivo promover um linchamento público de Lula.

Era para dar certo, estava tudo combinado, mas... deu ruim. O depoimento de Léo Pinheiro foi uma montanha que pariu um ratinho, e a bateção de lata da Globo deu tanto na vista que a primeira pesquisa eleitoral após mais essa presepada apontou subida vertiginosa de Lula nas pesquisas eleitorais, uma das quais encomendada pela própria empresa mafiosa dos Marinho.

Diante do fiasco, Moro diz, mas não confirma ainda, que vai adiar o tete-a-tete do dia 3 de maio com Lula. Mudança como essa não se deve a uma só razão. Na verdade, Moro, extremamente vaidoso, megalômano e afeito aos holofotes da mídia, marcou esse depoimento de Lula confiando que essa data apanharia o ex-presidente em maré vazante e ele, Moro, em maré cheia. Porém, deu-se o exato contrário. Lula, quanto mais massacrado pela mídia, mais ganha a simpatia das pessoas, Moro quanto mais delações fajutas colhe, mais se perde em seu labirinto de mentiras, trapaças e vaidades.

Assim como disse que quer ver Lula 87 vezes, para dias depois dizer que não quer vê-lo tão cedo, o juiz à beira de um ataque de nervos pode mandar prender Lula a qualquer momento, sem outra razão que não seja sua desorientação psíquica, que não é produto de nenhuma labirintite.


Jeosafá, professor, foi da equipe do 1o, ENEM, em 1998, e membro da banca de redação desse Exame em anos posteriores. Compôs também bancas de correção das redações da FUVEST nas décadas de 1990 e 2000. Foi consultor da Fundação Carlos Vanzolini da USP, na área de Currículo e nos programas Apoio ao Saber e Leituras do Professor da Secretaria de Educação de São Paulo. É escritor e professor Doutor em Letras pela Universidade de São Paulo. Autor de mais de 50 títulos por diversas editoras, lançou em 2013 O jovem Mandela (Editora Nova Alexandria);  em maio de 2015, nos 90 anos de Malcolm X, O jovem Malcolm X, pela mesma editora; no mesmo ano publicou A lenda do belo Pecopin e da bela Bauldour, tradução do francês e adaptação para HQ do clássico de Victor Hugo, pela editora Mercuryo Jovem. Leciona atualmente para a Educação Básica e para o Ensino Superior privados.

sexta-feira, 21 de abril de 2017

O CONTO DO VIGÁRIO DE SÉRGIO MORO

Na ausência total de provas contra Lula,  escondido na toga, o político tucano Sérgio Moro foi forçado a criar uma narrativa que se apresente como álibi para prender e condenar Lula, nessa ordem. Porém os personagens de seu conto do vigário insistem em estragar seu enredo de ficção de 5a. categoria.

Enfim, o protagonista do mais recente conto do vigário de Sérgio Moro, o empresário Léo Pinheiro, da OAS, entrou em cena para falar o script (em português, roteiro), decorado a partir de ensaios combinados com outros atores corruptos e atocaiados na sombra do Ministério Público Federal.

O que resultou desse conto do vigário mal escrito, mal ensaiado e mal interpretato por Léo Pinheiro  e transmitido ao vivo via internet por Moro foi uma atuação digna de vaia, de todo o elenco, incluso o diretor do mau espetáculo.

Caso Sérgio Moro tivesse o mínimo dissernimento teatral, pois jurídico já deu sucessivas mostras de que não tem nenhum, teria interrompido a peça e solicitado a devolução do dinheiro dos ingressos dos internetespectadores. A sinopse da péssima leitura dramática dirigida por Sérgio Moro é a seguinte:

1. O Triplex do Lula É DA OAS - e consta como ativo da empresa apresentado em sua recuperação judicial.

2. Léo Pinheiro tinha provas de que Lula é corrupto, mas Lula o mandou destruir essas provas e ele, Léo Pinheiro, as destruiu (faltou aqui contrar a claque para dar risadas, como nos programas de humor sem graça da rede Globo).

Seria um conto da Carochinha, não fosse um conto do vigário, no qual só cai quem for muito, mas muito, mas muito otário. Quantos de camisa amarela estariam dispostos a pagar esse ingresso e a assisitr até o fim uma farsa tão mal escrita e ainda pior interpretada?


Jeosafá, professor, foi da equipe do 1o, ENEM, em 1998, e membro da banca de redação desse Exame em anos posteriores. Compôs também bancas de correção das redações da FUVEST nas décadas de 1990 e 2000. Foi consultor da Fundação Carlos Vanzolini da USP, na área de Currículo e nos programas Apoio ao Saber e Leituras do Professor da Secretaria de Educação de São Paulo. É escritor e professor Doutor em Letras pela Universidade de São Paulo. Autor de mais de 50 títulos por diversas editoras, lançou em 2013 O jovem Mandela (Editora Nova Alexandria);  em maio de 2015, nos 90 anos de Malcolm X, O jovem Malcolm X, pela mesma editora; no mesmo ano publicou A lenda do belo Pecopin e da bela Bauldour, tradução do francês e adaptação para HQ do clássico de Victor Hugo, pela editora Mercuryo Jovem. Leciona atualmente para a Educação Básica e para o Ensino Superior privados.



terça-feira, 18 de abril de 2017

ELE QUER FAZER COM LULA O QUE FEZ COM MARISA LETÍCIA

Em ação sincronizada com a rede Globo, Sérgio Moro, sem o menor respeito à lei, determina que Lula seja coagido a acompanhar nada menos de 87 depoimentos. O que é um direito  do réu (que ele exerce se quiser) foi convertido em instrumento de tortura psicológica e prática, uma vez que o Lula terá que se deslocar de onde estiver para Curitiba a cada audiência. Com isso, Moro não quer apenas prender Lula, mas destruí-lo com fez com Marisa Letícia. Ao massacre midiático da Globo, que tenta com isso esconder Aécio, Alckmin, Serra e FHC, delatados pela Odebrecht, se soma a tortura de um mau juiz e mau caráter.

A fixação de Sérgio Moro por Lula tem componentes políticos inequívocos, mas também psíquicos. Ambos se retroalimentam. Como a delação da Odebrecht da lista de Fachin atingiu em cheio a cúpula do PSDB que Moro tem a missão de defender, ele e a rede Globo, com a qual atua em sincronia finíssima, se viram forçados a dar carga máxima em suas ações para tirar do foco os políticos que estão incumbidos de defender. Porém nem só de raciocínio político vive a república clandestina de Curitiba: o ódio dos Marinho e de Moro por Lula é de tal magnitude que os faz perder o senso de realidade.

Por um lado, o exagero do noticiário da Globo revelou descontrole e escancarou a militância partidária da emissora, pois as denúncias em massa e as investigações abertas seguiram rumo inverso ao de seu noticiário: apontando diretamente o ninho tucano. Por outro lado, Moro, afoito em pegar carona no bombardeio da Globo contra Lula, movido por seu ódio, incorreu em um abuso de autoridade flagrante, do qual terá dificuldade de se desembaraçar.

Como o dia 3 de maio se tornou um problema gigantesco para Moro, haja vista a praça de guerra que Curitiba pode se tornar nesse dia, ele tentou de um só golpe:
  1. Livrar-se do já incômodo dia 3 de maio, estendendo-o no tempo, ao multiplicá-lo o por 87.
  2. Submeter Lula à mesma tortura e ao mesmo fim que ele reservou a Marisa Letícia.
Moro não é apenas um político de tocaia no Judiciário e protegido pela toga (item 1 acima), é um paciente sintomático, sádico, desequilibrado, mitômano, e megalomaníaco, sem condições morais ou psíquicas para exercer a função de juiz (item 2 acima).

No primeiro caso, deve ser desmascarado e impedido de julgar Lula ou quem quer que seja; no segundo, deve ser afastado da função, encaminhado para tratamento psiquiátrico ou internado.


Jeosafá, professor, foi da equipe do 1o, ENEM, em 1998, e membro da banca de redação desse Exame em anos posteriores. Compôs também bancas de correção das redações da FUVEST nas décadas de 1990 e 2000. Foi consultor da Fundação Carlos Vanzolini da USP, na área de Currículo e nos programas Apoio ao Saber e Leituras do Professor da Secretaria de Educação de São Paulo. É escritor e professor Doutor em Letras pela Universidade de São Paulo. Autor de mais de 50 títulos por diversas editoras, lançou em 2013 O jovem Mandela (Editora Nova Alexandria);  em maio de 2015, nos 90 anos de Malcolm X, O jovem Malcolm X, pela mesma editora; no mesmo ano publicou A lenda do belo Pecopin e da bela Bauldour, tradução do francês e adaptação para HQ do clássico de Victor Hugo, pela editora Mercuryo Jovem. Leciona atualmente para a Educação Básica e para o Ensino Superior privados.

http://www.lojanovaalexandria.com.br/catalogsearch/result/?q=era+uma+vez+no+meu+bairro