quinta-feira, 10 de maio de 2018

GOLPE É JOGO BRUTO, COM STF, COM TUDO

E efeito diluente e altamente corrosivo que a resistência de Lula produz no campo da articulação golpista é devastador: cai Hulk, cai Barbosa, cai Aécio, Alckmin patina, Temer afunda, STF se desmoraliza, Moro se desmascara. Porém, golpe é golpe, é jogo bruto, com STF, com tudo.

A estratégia de Lula de empurrar para as urnas o mal estar que o golpe impôs ao país até o momento tem tido resultados inesperados para os golpistas, mas previstos pelo próprio Lula. Ele mesmo já dissera que não dariam um golpe contra Dilma para permitirem numa boa, dois anos depois, a volta do PT ao poder numa candidatura Lula. E também foi o primeiro a afirmar que sua prisão era para impedir que vencesse as eleições, o que se vai verificando na prática, pois é campeão de intenções de voto em todos os cenários.

Sucede que, ainda que desmoralizados e arruinados, PMDB e PSDB não escolherão armas para darem prosseguimento à pauta ultraneoliberal que afundou os trabalhadores num desemprego recorde e numa falta de perspectiva em relação ao futuro desesperadora.

A aposta de Lula é a de que seguirá, embora sequestrado pela Al Qaeda de Curitiba, se consolidando como voz do povo até o limite máximo do jogo eleitoral, que é a apuração final das urnas. Os golpistas estão dispostos a tudo, mas não comem merda, nem rasgam dinheiro. Se Lula passar o bastão, perde o controle do processo eleitoral que hoje está todo em suas mãos - daí a pressão para que ele saia do jogo: uma vez fora, os golpistas deitarão e rolarão.

Lula jogará o jogo, seja como for, até depois de as urnas apuradas. Como diz Gonzaguinha em Cama de Gato:
No campo do adversário
É bom jogar com muita calma
Pocurando pela brecha
Pra poder ganhar


JEOSAFÁ, professor, foi da equipe do 1o. ENEM, em 1998, e membro da banca de redação desse Exame em anos posteriores. Compôs também bancas de correção das redações da FUVEST nas décadas de 1990 e 2000. Foi consultor da Fundação Carlos Vanzolini da USP, na área de Currículo e nos programas Apoio ao Saber e Leituras do Professor da Secretaria de Educação de São Paulo. É escritor e professor Doutor em Letras pela Universidade de São Paulo. Autor de mais de 50 títulos por diversas editoras, entre os quais O jovem Mandela (Editora Nova Alexandria);   O jovem Malcolm X A lenda do belo Pecopin e da bela Bauldour, tradução do francês e adaptação para HQ do clássico de Victor Hugo, pela editora Mercuryo Jovem. Leciona atualmente para a Educação Básica e para o Ensino Superior privados.

Nenhum comentário:

Postar um comentário