domingo, 6 de agosto de 2017

O TRIBUNAL NAZISTA DA FAMÍLIA MESQUITA

Empregando a mesma estratégia e prática dos nazistas para eliminar judeus, jornal O Estado de S. Paulo inicia a solução final contra Lula, ao pôr em cena Thompson Flores, presidente Tribunal Federal da 4a. Região, instância da justiça encarregada de, na prática, julgar o presidente Lula pela segunda vez por um crime sem provas.

Antecipando o próprio julgamento, Thompson Flores se adianta aos desembargadores do TRF- 4 que analisarão os recursos da defesa do ex-presidente da República, condenando Lula no tribunal da família Mesquita. A entrevista do presidente do Tribunal Federal da 4a. Região, Thompson Flores é inequívoca: seu resumo é a condenação fora dos autos, pelas páginas do jornal, do ex-presidente Lula, seja comunicando a sentença já proferida em off, seja agindo para que colegas sentenciem sob a coação da imprensa golpista.
Uma São Paulo que você tem que conhecer.
Como não poderia entrevistar os próprios desembargadores responsáveis pelo julgamento de Lula em segunda instância, uma vez que eles são impedidos de se pronunciarem em público sobre o processo em curso, o jornal da família Mesquita procurou usar o próprio presidente do Tribunal como uma espécie de porta-voz qualificado do colegiado que julgará Lula e como menino de recados dos golpistas.
Justiça brasileira não acerta nem na placa do "Edifícil".
Na entrevista, Thompson elogia a decisão de Moro como "irrepreensível" e, embora reconheça a contradição de não se ter provado na sentença de 1a. Instância a propriedade do Triplex, declara que a confirmaria se fizesse parte do colegiado responsável pelo julgamento dos recursos.

O Judiciário vai assim confirmando sua vocação reacionária de guardião do cofre da burguesia.

O jornalista Artur Scanove revela que Thompson tem relações diretas com setores golpistas das Forças Armadas.

Consulte a entrevista clicando aqui.

Grato pela leitura. Entre uma correção de prova e outra, vou escrevendo estes textos.

Jeosafá, professor, foi da equipe do 1o, ENEM, em 1998, e membro da banca de redação desse Exame em anos posteriores. Compôs também bancas de correção das redações da FUVEST nas décadas de 1990 e 2000. Foi consultor da Fundação Carlos Vanzolini da USP, na área de Currículo e nos programas Apoio ao Saber e Leituras do Professor da Secretaria de Educação de São Paulo. É escritor e professor Doutor em Letras pela Universidade de São Paulo. Autor de mais de 50 títulos por diversas editoras, lançou em 2013 O jovem Mandela (Editora Nova Alexandria);  em maio de 2015, nos 90 anos de Malcolm X, O jovem Malcolm X, pela mesma editora; no mesmo ano publicou A lenda do belo Pecopin e da bela Bauldour, tradução do francês e adaptação para HQ do clássico de Victor Hugo, pela editora Mercuryo Jovem. Leciona atualmente para a Educação Básica e para o Ensino Superior privados.

Nenhum comentário:

Postar um comentário