terça-feira, 9 de maio de 2017

GLOBO E MORO PLANTARAM VENTO, AMANHÃ COMEÇAM A COLHER FURACÃO

A rede Globo e o seu funcionário de luxo no judiciário, o político concursado juiz, Sérgio Moro, desde o início da Lava Jato (uma operação que erra até no português, pois a expressão correta é "lava a jato"), plantaram ódio visando o linchamento político, moral e físico de Lula. Não contavam porém que no exato momento de enfrentá-lo, estivessem no fundo do posso de seu prestígio, enquanto Lula convertia-se em uma verdadeira força da natureza a levantar o país em defesa da democracia e da recuperação econômica. Plantaram vento, vão colher furacão: furacão Lula. E a colheita começa amanhã em uma Curitiba tomada pelos trabalhadores.
Assim, se o aparato militar deslocado para Curitiba a desfilar pelas ruas como se elas fossem área de treinamento da caserna era para intimidar, se ofereceu apenas, à quem o assistiu, como um espetáculo bizarro de quem tem medo do povo, pantomima digna de desprezo e repulsa.

Empregar a Guarda Nacional, paga com o dinheiro do povo, para intimidar o povo (que se deslocou de todos os estados brasileiros para defender a democracia no covil do ditador) é uma atitude que além de revelar complexo de culpa, revela também fraqueza moral - e uma tropa sem moral está fadada ao fracasso antes de qualquer batalha.


Vídeo provocativo dando "boas vindas" a manifestantes.

Moro inicia sua performance midiática de amanhã (10/05/17) derrotado. Sua claque, de moral baixa, festejou a deixa que ele deu em vídeo no sábado (06/05/17) para ela não comparecer - pois não compareceria mesmo: as últimas manifestações de apoio a Moro pelo Brasil não reuniu nem duas dezenas amareladas de patos pingados, nas poucas cidades em que eles resolveram aparecer e passar vergonha diante das câmeras.

De qualquer modo, desequilibrado que é, Moro pode tentar uma medida tresloucada de força contra Lula. Nesse caso, o caldo vai entornar para cima dele, da rede Globo, de Temer e o país, com certeza, viverá uma conflagração de proporções desconhecidas, mas previsíveis e ao alcance no horizonte próximo. O olho do furacão, de Curitiba, desencadeará vendavais por todo o Brasil. Moro e sua empregadora estão pagando para ver.
Grato pela leitura.
Meus artigos são escritos entre pilhas de provas e trabalhos de meus alunos.  

Jeosafá, professor, foi da equipe do 1o, ENEM, em 1998, e membro da banca de redação desse Exame em anos posteriores. Compôs também bancas de correção das redações da FUVEST nas décadas de 1990 e 2000. Foi consultor da Fundação Carlos Vanzolini da USP, na área de Currículo e nos programas Apoio ao Saber e Leituras do Professor da Secretaria de Educação de São Paulo. É escritor e professor Doutor em Letras pela Universidade de São Paulo. Autor de mais de 50 títulos por diversas editoras, lançou em 2013 O jovem Mandela (Editora Nova Alexandria);  em maio de 2015, nos 90 anos de Malcolm X, O jovem Malcolm X, pela mesma editora; no mesmo ano publicou A lenda do belo Pecopin e da bela Bauldour, tradução do francês e adaptação para HQ do clássico de Victor Hugo, pela editora Mercuryo Jovem. Leciona atualmente para a Educação Básica e para o Ensino Superior privados.

http://www.lojanovaalexandria.com.br/catalogsearch/result/?q=era+uma+vez+no+meu+bairro

Nenhum comentário:

Postar um comentário