sexta-feira, 24 de fevereiro de 2017

AMIGO DE TEMER O ENTREGA À LAVA JATO

Quando se pensa que o governo Temer golpista já esgotou seu arsenal de más notícias e falcatruas, eis que o próprio amigo pessoal do presidente e seu ex-conselheiro no governo até dezembro passado vem a público e joga Temer no ventilador.

Em dezembro (14/12/16) a imprensa envolvida em crimes foi obriga a noticiar o vazamento da delação premiada de Marcelo Oldebrecht, na qual ele revela ter pago 10 milhões de reais em dinheiro para Michel Temer, via escritório de advocacia de seu amigo pessoal José Yunes.

Era a segunda quinzena desse mês e no foco das delações estavam além do presidente golpista e seu amigo pessoal José Yunes, seus ministros Eliseu Padilha e Moreira franco. Temer rebolou como pode para chegar a 2017 na presidência, Yunes se afastou da função de conselheiro de Temer para sair do foco; Moreira Franco, para escapar da Lava Jato, virou ministro; e Padilha ficou na moita até hoje: no governo mas tentando parecer invisível, torcendo para que o radar, depois de Moreira Franco e Alexandre de Moraes, não o apanhasse.
Porém... "ai, porém" canta o samba de Paulinho da Viola ...

Hoje (24/02/17), dois meses depois da deduragem de Marcelho Odebrecht, abafada pela mídia associada ao crime, o próprio José Yunes, para se safar de envolvimento maior nos delitos de Michel Temer, se apresenta voluntariamente à imprensa, assumindo como verdadeira a versão do empreiteiro, porém se colocando apenas como uma inocente "mula" (que no tráfico é o laranja empregado para transportar a droga).

Ou seja, empurra para o colo do amigo Michel Temer a propriedade da droga que estava no pacote que levava, mas o qual ele teria apenas intermediado por amizade, não por envolvimento direto no crime.

É a velha história: quando a polícia chega no laboratório de cocaína, os que lá estão não sabem de nada, estão "apenas trabalhando", sem sem envolvimento direto com a prática criminosa.

O fato é que com a "delação voluntária" do amigo que quer "tirar o seu da reta", como se diz por aí, junto com Temer volta ao centro do radar Eliseu Padilha, que para tentar sair do foco acaba de pedir afastamento do governo.

A máquina infernal do golpe tornou-se um um mostrengo digno de nossos piores pesadelos, e se alimenta cada vez mais de quem a inventou e a pôs em funcionamento.

Agora, que um advogado da estatura de Yunes é apenas uma inocente "mula", acredite quem quiser.

Jeosafá, professor, foi da equipe do 1o, ENEM, em 1998, e membro da banca de redação desse Exame em anos posteriores. Compôs também bancas de correção das redações da FUVEST nas décadas de 1990 e 2000. Foi consultor da Fundação Carlos Vanzolini da USP, na área de Currículo e nos programas Apoio ao Saber e Leituras do Professor da Secretaria de Educação de São Paulo. É escritor e professor Doutor em Letras pela Universidade de São Paulo. Autor de mais de 50 títulos por diversas editoras, lançou em 2013 O jovem Mandela (Editora Nova Alexandria);  em maio de 2015, nos 90 anos de Malcolm X, O jovem Malcolm X, pela mesma editora; no mesmo ano publicou A lenda do belo Pecopin da bela Bauldour, tradução do francês e adaptação para HQ do clássico de Victor Hugo, pela editora Mercuryo Jovem. Leciona atualmente para a Educação Básica e para o Ensino Superior privados.



Nenhum comentário:

Postar um comentário