domingo, 7 de agosto de 2016

O traidor ainda implorará de quatro "Meu reino por um cavalo"

Ator Ian Mckellen, o Ricardo III do filme
homônimo de Richard Loncraine.
Não sou pessimista, pois sei que estes dias sombrios e de maus presságios vazarão para as artes, entre elas o teatro, e permanecerão não como assombrações para gerações futuras, mas como memórias para reflexão de maus dias, que convém não esquecer para que não retornem na forma de pesadelos.

Na linguagem, sons, partes de palavras, palavras, frases, orações se articulam (na língua escrita) em parágrafos, capítulos etc. e dão origem aos gêneros textuais ou literários, entre os quais o teatro.

Diferentemente da objetividade dos textos informativos, a linguagem do teatro se organiza inteiramente na esfera da subjetividade.

Se a linguagem objetiva busca o equilíbrio, no teatro exagero não só é válido como é o mais frequente, no drama, como na tragédia ou na comédia, isso porque as emoções humanas literalmente sobem ao palco e entram em cena.

No teatro, todos os fantasmas, medos e emoções ganham espaço por meio dos diálogos, em que sonhos, mas também pesadelos; fatos plenos solidariedade, mas também de cobiça, inveja, trapaça e ódio são representados em linguagem organizada para emocionar, surpreender, assustar, fazer rir, chorar ou refletir.

Antes do cinema, foi o teatro o responsável por tornar consciente de maneira coletiva a alma humana, com suas grandezas e baixezas. Antes de gritar "Meu reino por um cavalo", Ricardo III, de William Shakespeare, já assassinou no palco o irmão, obrigou a cunhada a desposá-lo e usurpou a coroa e o trono, numa das representações mais contundentes da degradação a que chegou a Inglaterra em um de seus períodos menos gloriosos.

Quem desejar conhecer de maneira mais objetiva essa fase transtornada da monarquia britânica, precisa mergulhar nos compêndios de história. Porém a verdade é que Ricardo III é mais conhecido no mundo inteiro pelas mãos de Shakespeare do que pelos textos acadêmicos, e é por essa via que ele chegou ao cinema no século XX em várias versões.

Se não fosse o dramaturgo inglês, Ricardo III estaria definitivamente morto para as gerações futuras, e sua múmia simbólica, confinada em algum sarcófago acadêmico empoeirado, seria objeto de estudo de uns poucos historiadores ou arqueólogos excêntricos.

Agradeçamos a Shakespeare a prevalência no tempo desse fantasma depravado, que com frequência é ressuscitado dos livros e sobe aos palcos para se oferecer como elemento de comparação com outros tantos que a vida real não cessa de produzir nos nossos dias.

Não sou pessimista, pois sei que estes dias sombrios e de maus presságios vazarão para as artes, entre elas o teatro, e permanecerão não como assombrações para gerações futuras, mas como memórias para reflexão de maus dias, que convém não esquecer para que não retornem na forma de pesadelos.


Jeosafá, professor, foi da equipe do 1o, ENEM, em 1998, e membro da banca de redação desse Exame em anos posteriores. Compôs também bancas de correção das redações da FUVEST nas décadas de 1990 e 2000. Foi consultor da Fundação Carlos Vanzolini da USP, na área de Currículo e nos programas Apoio ao Saber e Leituras do Professor da Secretaria de Educação de São Paulo. É escritor e professor Doutor em Letras pela Universidade de São Paulo. Autor de mais de 50 títulos por diversas editoras, lançou em 2013 O jovem Mandela (Editora Nova Alexandria);  em maio de 2015, nos 90 anos de Malcolm X, O jovem Malcolm X, pela mesma editora; no mesmo ano publicou A lenda do belo Pecopin da bela Bauldour, tradução do francês e adaptação para HQ do clássico de Victor Hugo, pela editora Mercuryo Jovem. Leciona atualmente para o a Educação Básica e para o Ensino Superior privados.








Nenhum comentário:

Postar um comentário