quinta-feira, 18 de abril de 2013

AMANDLA! NGAWETHU! (O poder! Tá com a gente!)

DAQUI A CINCO MIL ANOS um pai contará para seu filho dormir a lenda de um herói. Essa lenda dirá de um menino do Transkei, que calçou o primeiro par de sapatos quando ingressou um tanto tardiamente na escola, que viu e viveu os piores tormentos da vida humana, mas que, a despeito de todas as previsões funestas, liderou seu povo a uma vitória definitiva sobre as mais abomináveis formas de opressão e humilhação do homem sobre o próprio homem. Essa lenda que atravessará os milênios futuros terá um nome: NELSON ROLIHLAHLA MANDELA.


Num momento em que pelo Brasil se espalham manifestações nas quais se misturam anseios legítimos da população historicamente oprimida com palavras de ordem francamente racistas, autoritárias, suprematistas e intolerantes, e num momento em que o guerreiro Madiba, herói de Soweto, herói da África, herói da humanidade, parece querer dar paz a seu corpo já alquebrado por tantas lutas coletivas e pessoais, sempre é bom convocar sua força, que permanecerá em todos os democratas e revolucionários do mundo pelos séculos a afora.


A pobreza no sertão da África do Sul, as condições aviltantes dos trabalhadores nas minas de diamantes mais profundas do mundo, a miséria nas favelas de Johanesburgo, a opressão das populações negras e de origem indiana, concretizada no sistema de apartheid, levaram bem cedo o jovem Nelson Rolihlahla Mandela a escolher entre o conforto de uma vida alienada e os riscos da luta contra o regime de segregação racial.


Fundador da Liga da Juventude do Congresso Nacional Africano (CNA), Nelson Mandela tornou-se o principal líder do mesmo CNA, e um dos mais significativos protagonistas da história humana contemporânea. Sua vida se confunde com  a própria luta pela democracia e pela liberdade e, embora o território principal de suas ações tenha sido sua África do Sul mergulhada em um dos sistemas políticos mais abomináveis conhecidos, o apartheid, a indignação contra a injustiça de que foi vítima e  os reflexos de sua vitória definitiva sobre o regime de segregação racial  ecoaram, e ecoam ainda, por todo o mundo.

Da infância de pés descalços no sertão africano, no início do século XX, à presidência da república, conquistada na primeira eleição verdadeiramente livre em seu país, ao fim do mesmo século, Mandela seguiu um roteiro de aprendizagem, persistência e esperança que lhe deu forças para suportar sucessivas perdas de amigos, assassinados sob tortura ou em confrontos com o apartheid; de familiares, com os quais sempre manteve fortes laços de afeto; além de uma sentença de prisão perpétua absurdamente injusta, a partir de um julgamento de exceção,  forjado nos mínimos detalhes para eliminar do caminho  os opositores do regime racista.

No interior da prisão da ilha de Robben, em que cumpriu a maior parte dos 27 anos em que esteve encarcerado, Madiba, como também é conhecido entre os amigos e parentes, organizou o que ficou conhecido como Universidade Mandela.

Essa iniciativa de educação geral e de formação política reuniu, anos a fio, em debates, palestras e verdadeiras aulas, com currículo estabelecido pelos próprios participantes, até mesmo os guardas do presídio. Muitos jovens condenados à ilha de Robben, após cumprirem a pena, voltaram para a luta antiapartheid mais bem preparados do que quando nela ingressaram. O amor de Mandela pela juventude está estampado em seu sorriso – que, quando se abre, o torna um menino novamente, um legítimo representante da “juventude do mundo”, expressão muito empregada por sua geração de “lutadores da liberdade”, como, com justiça, também se autodenominavam.

Torço com o coração apertado para que os jovens que agora tomam as ruas do país reflitam e se mirem na vida e na luta desse eterno jovem, que sacrificou tudo e a quem roubaram nada menos que 27 anos de vida, convertida em doação também para os jovens do Black Consciouness, de Steve Bico, quando estiveram presos com ele em na ilha de Hobben.


Se virarem as costas para esse verdadeiro gigante do humanismo e da luta pela justiça social, terão virado as costas para a própria história. Como sabemos, quem nega o passado, anda às cegas. Não posso esconder que, nestes dias de junho de 2013, os protestos sem rumo padecem dessa ignorância.


*          *          *




Neste livro, Jeosafá Fernandez Gonçalves, Doutor em Letras pela Universidade de São Paulo, com especialização nas relações  Brasil-África, constrói um enredo ficcional em que literatura e realidade se articulam para dar corpo às angústias e às ações de um dos mais importantes personagens da história contemporânea mundial. A partir de cuidadosa pesquisa bibliográfica, o autor traça neste O jovem Mandela os passos decisivos da formação do homem e do líder que derrotou de maneira insofismável o apartheid.

Ao mesmo tempo em que retrata o homem (empregando para esse retrato, como um palimpsesto, o registro de outros que passaram por experiências análogas ),  o autor oferece ao leitor os fatos históricos, uns dramáticos e mesmo trágicos, outros gloriosos, que serviram de placenta a uma epopeia em si plena de grandeza – e que ecoará certamente pelos séculos afora.

O autor é escritor de obras de ficção, poesia, teóricas e didáticas voltadas para temas de língua portuguesa e literatura. Bacharel em Letras pela Universidade de São Paulo, doutorou-se também nessa área, na mesma USP, em 2002. Sua pesquisa de Doutorado voltou-se para as relações entre Brasil e África, o que impôs o estudo de vasta bibliografia sobre os movimentos de independência nesse continente e sobre os principais líderes africanos do século XX, entre os quais, Nelson Mandela.


Concentrando suas atividades nas fronteiras entre literatura e realidade, o autor tem desenvolvido nos últimos anos projetos em que pesquisas bibliográficas, documentais e de campo servem de fontes para a produção ficcional, a exemplo deste O jovem Mandela e do ciclo de romances urbanos sobre a cidade de São Paulo ERA UMA VEZ NO MEU BAIRRO, que põe em cena aspectos sociais e históricos das cinco grandes regiões de São Paulo: Zonas Norte, Leste, Sul, Oeste e Centro.

Artigos n'O Estado de S. Paulo
Um romancista da cidade: Na ficção, uma viagem por São Paulo.
120 anos do viaduto do Chá: Pequena chama pequena demais.

16 comentários:

  1. Dá-lhe Josa! Sou seu fã!

    Abração!

    João Pinheiro

    ResponderExcluir
  2. mUITO BOM jOSA! Vamos divulgar! Parabéns por + 1 obra.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Olá, Ada: é como sempre: vendendo o almoço pra comprar a janta, mas não quero outra vida.

      Excluir
  3. Nem bem cheguei aqui e já chovo mais que lá fora. Ô Deus! que história comovente, que história de amor, que romance com a humanidade! Todos os dias uma prece deverá ser elevada ao céu, para que, se Deus existe, como sei que existe, preparar o colo das deusas para, um dia, daqui a muitas décadas, ainda, receber e honrar esse homem que me faz chorar, tamanha é a energia de suas realizações.
    Muito agradecida, poeta, por esta leitura.

    <3

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Prezada Carmen: O hobbie preferido de Nelson Mandel desenvolvido na prisão foi... jardinagem e horticultura!

      Excluir
  4. Querido amigo Jeosafá,

    acabei neste momento de ler seu livro. Que lindo! Tô emocionada... O texto é belo, profundo, tocante. Fala da alma. Da sua e da do 466, que é irmã da sua... Lindo demais! Fico orgulhosa de você e feliz em lembrar que desde os primeiros momentos em que essa história caiu na sua mão, eu fui acompanhando. De longe, de perto. Você nasceu para a literatura, meu amigo!

    Um grande beijo,

    Mazé

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Oi, Mazé:

      Li sua mensagem em voz alta para a Neia ouvir. Se você gostou nos termos em que escreveu, então acertei em cheio, pois escrevi para transmitir a mesma emoção que senti durante a pesquisa e a redação do texto. Meu maior medo era não estar a altura do querido Mandela. Acho que não fiz vergonha.

      - Amandla!
      - Ngawethu!

      Excluir
  5. VIA FACEBOOK: Grande honra ter você como amigo. Muito grata pelo livro. Mandela é também um dos meus ícones de luta por liberdade e exemplo de ser humano e com certeza vou saborear as páginas do livro como um alimento delicioso. Vamos nos comunicar mais vezes. Grande e fraterno abraço. Teca Notari.

    ResponderExcluir
  6. VIA FACEBOOK: Você quer conhecer a história da juventude de Nelson Mandela por meio de uma prosa toda poesia? Gostaria de viajar pelo cérebro e pela alma de um revolucionário partidário do mais radical dos humanismos? Quer, ao mesmo tempo, saber da história do apartheid e de sua derrocada na África do Sul? Então leia O Jovem Mandela, de Jeosafá Fernandez Gonçalves, e mergulhe na prosa absorvente, que prende, qual flauta que encanta serpentes. Adquira seu exemplar, porque você vai querer reler, reler e reler.

    Elder Vieira dos Santos

    ResponderExcluir
  7. VIA TWITTER:

    Coisinha pouca, apenas do lado de Nelson Mandela na vitrina da Laselva. Parabéns.

    Cecília Lima

    ResponderExcluir
  8. VIA FACEBOOK:

    Eu ia almoçar aqui no trabalho ai entrei para ler isso e to aqui encantada... Adorei.

    Bruna Pellacani

    ResponderExcluir
  9. VIA FACEBOOK

    Muito bom mesmo.

    Serginho Lima

    ResponderExcluir
  10. VIA FACEBOOK:

    Eu queria trabalhar numa editora tbm kkkk. Imagina o conhecimento que se adquire num espaço assim ..embora aqui no Conselho Tutelar eu aprenda cada dia mais :)

    Bruna Pellacani

    ResponderExcluir
  11. Caros Bruna Pellacani e Serginho Lima. Antes de virar escritor, fui jornaleiro, metalúrgico, office-boy, vendedor de calças, desempregado, vendedor de livros, desempregado, vendedor de consórcio, desempregado... professor, diretor de escola, consultor educacional ufa, até sindicalista: olha a foto de 1990! Mas não desisti e estou aqui. A vida é uma batalha, se a gente não desiste, as dificuldades acabam desistindo da gente. Obrigado pelo carinho que demonstraram por esse livro, que é fruto de MUITA pesquisa!

    ResponderExcluir