quarta-feira, 13 de abril de 2011

O corvo, de Allan Poe CENSURADO



Quando da morte de Peter Sellers, em 1980, um jornalão de São Paulo estampou sua foto humoristicamente séria sobre uma frase em letra garrafais a ele atribuída:

"Pobre de quem acredita que no mundo há um grama de seriedade.

Acometido pelo espírito (para os espíritas), ou do exemplo (para os materialistas) do grande ator cínico, antes de inglês, decidi ingressar em minha fase zen. Isso mesmo, chega de chorar o Ferreira derramado, até porque só o Ferreira passado movia-se contra moinhos. O atual vive em redemoinhos.

Caros telespectadores e radiouvientes, estou zen. Bem-vindos à tenda do OH! GRANDIOSO FÁ! Para provar que superei minha fase anterior, séria, de óculos, gravata e em fundo branco e preto, mudo de assunto. O assunto de hoje é a censura.

Viram como estou humorado: disse que ía mudar o tema, mas não mudei. Isso deve produzir algum efeito humorístico, segundo os estudos feitos pela USP sobre o assunto. Em breve um pesquisador da FFLCH dessa séria instituição deve procurar quem me ouve agora ao vivo e em cores para medir o índice de riso provocado por essa artimanha da linguagem.

Se não riram antes, rirão agora da história que vou contar, baseada em fatos verídicos. Os nomes das instituições e das pessoas serão preservados para não expô-las à galhofa, muito embora ela, a galhofa, derive de ações e patacoadas dos mesmos aqui protegidos pelo segredo jornalístico.

Participei ano passado da banca de seleção de obras literárias para a Secretaria de Estado da Educação de São Silvestre. Foi um trabalho bacana, em que pesem duas figuras de pastelão de filme mudo que puseram lá para melar com chantily de torta o trabalho da banca selecionadora.

Atiçadas diretamente pelo então secretário Fulano de Tal Apegado à Torta, essas duas persongens, cujos nomes fictícios são Goseli e Tara, saídas com certeza de um filme dos Irmãos Marx, deram asas a seus delírios hipocondríacos.

Quem assitiu à minha postagem anterior está por dentro do assunto. Quem não leu, então que leia, ora essa! Continuando o filme de pastelão comandado pelo secretário Groucho Atirador de Tortas, Goseli e Tara saíram caçando livros com suas vassouras (digo, tesouras, vejam o que é o ato falho) voadoras. Do seu gabinete, o Groucho sem graça atiçava: "Vai, fundo, meninas com a tesouras".

Além de Nelson Rodrigues, Plínio Marcos, Ferreira Gullar antes da crise de consciência, Vinicius de Moraes, entre muitos outros, para elas, "imoraes", um veto de espetacular candura causou assombro - porém depois deliciosas gargalhadas entre os membros da banca do certame (membro, essa palavra insidiosa de ser prounciada nos corredores da Secretaria da Educação de São Silvestre City).

O diálogo é  quase inventado, mas é quase esse, tirando algumas quase vírgulas. Tara, olhos arregalados, exofitálmicos, alterada, falando e cuspindo ao mesmo tempo, atirava sua torta, enquanto sua parceira de vassoura voadora, digo, tesoura (vejam o que é o ato falho), Goseli Goselina, se escondia atrás do livro candidato a apara de papel:

Tara Equestre: Esse livro não pode ser enviado aos alunos da rede pública. É pornográfico.

Séria Indignalda (titular da banca): Qual o problema desse livro?

Tara Equestre: Não está vendo? Está na cara!

 Séria Indignalda: Como assim, na cara?

 Tara Equestre: Ora, esse Allan Poe dos quadrinhos tem um pênis na cara!

Séria Indignalda: Ora, você está surtada, sua louca!

OH! Grandioso Fá: Ora, cada um vê o que quer na cara de quem quiser. Já que falei em ver, cara Tara, viu quem traduziu esse livro?

Tara Equestre: Não!

OH! Grandioso Fá: Ora, foi o Machado de Assis! Também está na cara, ou melhor na capa. Então você fica de olho no nariz avantajado do personagem e esquece do texto? Não é qualquer textículo não, minha cara Tara, é um baita textão clássico e glandioso! (vejam agora o que é um ato fálico com justa motivação).  Mas que bela atiradora de tortas está me saindo, cara Tara!

Goseli Goselina: Ora, veja bem, com um pênis desse tamanho no cara do leitor...

Mara Tara: Do leitor, não, colega, do Allan Poe.

Fábio Lobo (outro titular da banca): Vocês vão censurar um livro por causa de um delírio proveniente de recalque sexual e... e... (o coitado até gaguejou) surto psicótico?

Tara Esquestre e Goseli Goselina (em coro ensaiado lá no gabinete do secretário das tortas): Ah, é, não é? Se é assim, agora é que vamos para as cabeças mesmo. Tá censurado, se insistirem, melamos o processo.

Séria Indignalda: Aí, me segura que vou ter um troço.

Outros dois membros da banca, até ali só ouvindoOH! Grandioso Fá, você nos convida para um filme de pastelão, oras bolas! Nossa simpatia por sua titulação da USP e pelos parcos larjans que vão nos pagar a... a... (os caras também engasgaram) assim periclita, bacana!

Outros titulares até ali pasmos sem entender patavinas: OHHHHHHHHHHHHHHH!

OH! Grandioso FÁ (entrando de sola, mas bem zen): Calma, gente, é só um surtinho que vem lá das altas esferas, para não falar bolas, o que soaria indecente em conformidade com o delírio peniano. É só um surtinhozinho, já já passa... Vamos abrir as janelas e tomar um ar que dessufoca...

Séria Indignalda: OH! Grandioso Fá, não estudei para tamanha provação. Nunca imaginei nem durante a ditatura mais cruel ceder ouvidos a tanta patacoada... Essas duas que vão fazer psicoterapia, vão de retro, discípulas de Torquemada! Arre! Ainda não desisti de ter um troço imediatamente não!

Tenho que me curvar às evidências: o surtinho não passou coisa nenhuma. E o diagnóstico  do furibundo acometimento abunda ainda no insuspeito órgão da constitucionalissimamente São Silvestre.

Telespectadores e radiouvintes, foi um sufoco. Vocês não imaginam o que é a gente se ver  subitamente no meio do fogo cruzado de um filme de pastelão. Elas duas lá, mandando ver nas tortas e o restante da banca só se desviando para escapar do chantily azedo que o secretário Preparador de Tortas precariamente cozidas.

Resumo da ópera bufa, em volume alto para todo mundo ouvir:

O CORVO, DE ALLAN POE, COM TRADUÇÃO DE MACHADO DE ASSIS, EM QUADRINHOS, FOI CENSURADO PORQUE DUAS... DUAS... DUAS... (gente, até engasguei) SAÍDAS DE UM FILME DO GROUCHO MARX FORAM POSTAS NA BANCA PELO SECRETÁRIO PÂNDEGO PARA ARREMESSAR TORTAS LOUCAS!

Telespectadores e radiouvintes, o volume agora retorna ao normal, bem zen, como prometi.

A ilustração da discórdia está no alto deste artigo. Deem uma boa olhada nela e no órgão nela supostamente implantado pelo excelente ilustrador Luciano Irrthum. Comparem agora com órgão olfativo da foto do poeta norte-americano a seguir:



Que acham? É para rir ou para chorar? Sei lá. Sabe, gente é tão difícil ser zen...

Encerram-se neste momento as tramissões transcedentais da tenda meditativa do OH! Grandioso FÁ.



LANÇAMENTO
Era uma vez no meu Bairro
ZONA NORTE – Nova Edição
ZONA LESTE – Inédito
Dia 18 de outubro de 2011
19:30h
Livraria do Espaço Unibanco de Cinema da Rua Augusta
SÃO PAULO - SP

28 comentários:

  1. Grande Jeosafá! Que bom que vc ressuscitou de sua hibernação. Seu texto tá muito bom de ler! As peripécias da censura de hoje são mais engraçadas... Fiquei tentando ver um pênis no nariz do Poe... Não consegui... Ao contrário da professorinha recalcada da Secretaria do Estado de São Paulo da Educação e Censura. Parabéns!

    ResponderExcluir
  2. Realmente, professor, o nariz do Poe é freudiano.
    Parabéns pelo texto.

    ResponderExcluir
  3. Mazé: Psssiu, fala baixo. O artigo não deixa a menor pista de que se trata de São Paulo: É de São Silvestre, quiá quiá quiá. Fui.

    ResponderExcluir
  4. Em tempo: adorei sua sacada dos "Testemunhos de Jeosafá". Isso aí, não deixe barato não! rsrs.

    Cacá Mendes

    ResponderExcluir
  5. Cacá: Não adianta ficar comentando em off para reduzir minha audiência! Eu copio do e-mail e tasco aqui, meu! Na sessão do Baixa Augusta (www.cineclubebaixaaugusta.blogspot.com) resolveremos pacificamente essa questão, já que estou na minha fase zen.

    ResponderExcluir
  6. Rá, rá, pensando nisso nem pude ir hoje no Cineclube B.A... Escapei do seu aperto nessa quiMERA contenda. Olha, mermão testemunheiro Jeo, gostando fiqui de mais dessa sua pose aí! Quem apertou o clic no irmão? Ah, essa sua fase João Lennon até 2012 pode dar frutos... Só preparar os seus para o dia do arrebatamento, pô! Mas com essas mãozinhas assim, esticando linha, dificilmente disvirtuarás ovelhas de outros repastos! Rá, que tô indio e sou.

    ResponderExcluir
  7. Passei mal de tanto rir, embora seja de chorar!

    ResponderExcluir
  8. Levanta os braços e respira fundo. Porém, nada de tentar tomar água nesse instante, como manda o folclore popular, pois o copo, que está em uma das mãos erguidas, derrubará o conteúdo sobre sua cabeça. Quiá quiá quiá.

    ResponderExcluir
  9. a "FISSURA" faz a mente ser + que criativa!kkkk

    ResponderExcluir
  10. Gente,
    Não é fácil mesmo. Adoraria escrever: "não acredito"! Mas tenho visto tantas que não posso usar sentido figurado: acredito sim, e é tão deplorável que deprimente é pouco...E isso é "de verdade".
    Só dizendo "Ai, Jesuis!"
    Abraço
    Susana

    ResponderExcluir
  11. Para quem duvida do poder de minha meditargumentação, até Jisuis já baixous nestes comentários. Meu meudo é que apareuça o Pai. Aí, eu que não sou João Grilo, não vou ter a mãe para apelar...

    ResponderExcluir
  12. Opa! bleleza?muito bem escrito o artigo...engraçado este treco das malucas aê...fechou o texto com nariz de ouro....kkk...nunca tive um nariz cencurado... obrigado por tornar publica a censura...
    é isso aê um abraço e vamo que vamo.

    luciano irrthum

    ResponderExcluir
  13. Caracoles: Isso é que é a força da metidargumentação do OH! GranDIOso FÁ. Não apareceu nos comentários o Pai do Filho, mas o próprio pai da criança, o OH! Grandioso IRRTHUM, que agora sabe onde meteu o nariz.

    Epa Babá, e vamo que vamo sim, mas, com essas antas de vassouras, digo, tesouras, censurando até nariz de HQ, como diria o Drummond, também censurado, para onde? Quiá quiá quiá.

    Amplexos procê, OH! Grandioso Luciano IRRTHUM.

    ResponderExcluir
  14. Jeosafá: Este e-mail é para comentar seu momento zen (rs):

    Em primeiro lugar, o humor ficou garantido. Então, nada de dinheiro de volta.
    Conhecendo os bastidores do teatro e o palco onde o cenário é montado, o tiro fica tão claro quanto o alvo e, de fato, o barulho é merecido e válido. Que censura absurda!
    No mais, meu amigo, ao contrário do que acontece nos mosteiros ocidentais (lugares de luto eterno, sacrifícios e silêncio), os monges zen-budistas, segundo relatos, são extremamente bem humorados, afeitos a piadas e amigos do riso.

    Em outras palavras, não houve qualquer contradição...

    Um abraço e parabéns!

    César

    ResponderExcluir
  15. Já cansei de falar por letras, aqui e algures: Não adianta comentar em OFF por e-mail, que eu recorto, colo e tasco aqui. AVE, CÉSAR! Os que vão morrer te saúdam.

    ResponderExcluir
  16. Tucano nunca foi ave de minha predileção. Desde as propagandas da Varig/Cruzeiro. Aerodinâmica esquisita, dá a impressão de que foi projetada por uma comissão de esquizofrênicos. O bicho, coitado, ficou com um ar assim meio tacanho, pateta, evôo claudicante, sem graça. Goseli, taraquatro patas, serrasjosefinas, chuchusopusdei, fernandos que henricam os cardosos são outros nomes possíveis dessa esquisitice. Que o povo nos ajude!
    Amplexos.
    Elder

    ResponderExcluir
  17. Oh, poderoso Fá, eu ouvi vozes que sussurraram isso nos meus ouvidos, mas não quis acreditar. É real, então, essa história? Meu Deus, deveriam distribuir narizes grátis para essas pessoas.

    ResponderExcluir
  18. Não adianta vocês dois aí logo acima tentarem me tirar de meu estado zen. Cada um leva no frontispício aquilo que a natureza lhe deu: uns um bico longo e oco, outro, um nariz excitante. Pão ou pães, é questão de opiniães - metendo o nariz agora nas primeiras palavras de O Grande Sertão do Guimarães.

    ResponderExcluir
  19. Não adianta vocês dois aí logo acima tentarem me tirar de meu estado zen. Cada um leva no frontispício aquilo que a natureza lhe deu: uns um bico longo, porém oco, outros, um nariz também longo, porém excitante.

    Pão ou pães
    É questão de opiniães
    Metendo aqui o nariz
    n' O Grande Sertão de Guimarães.

    ResponderExcluir
  20. É, falar o quê? E o pobre quadrinista de BH não vai ver tão cedo o que poderia ser uma casa para morar. De chorar é pouco.

    ResponderExcluir
  21. Parabéns pelo blog, é muito divertido e interessante - uma combinação que exige talento e trabalho

    ResponderExcluir
  22. Três observações: 1) O "motivo" da censura em questão é bizarro!!!2) Não se trata de um comentário maldoso, mas o grande Allan Poe não tem um nariz na cara, tem uma cara no nariz! 3) A imagem do grandioso FÁ trouxe-me recordações do saudoso Ralah Ricota! Abraços. Querubim.

    ResponderExcluir
  23. O que vocês têm contra o nariz do meu amigo Poe???? CYRANO DE BERGERAC.

    ResponderExcluir
  24. Oi, seu Josafá, meu nome é bruno azevêdo, sou escritor.

    acabei de conhecer o seu blog via Luciano Irrthum, autor de O Corvo, que gerou um post tragicômico no seu radiosáite e com quem estou fazendo um livro, este sim deliciosamente pornográfico.

    bem, curti pacas o seu estilo de escrita e pretendo voltar mais vezes.

    e na cara de pau de quem se auto edita, escrevo pra te oferecer meus livretos, de graça e com juras de amor. são dois: "o Monstro Souza" (a história de um cachorroquente assassino e prostituto) e "Breganejo Blues" (uma novela policial sobre Tex Willer, Bechara Jalkh e música de corno).

    Vai que bate!

    se te intetessar, me passa um endereço postal, por favor.

    té mais.
    bruno azevêdo

    ResponderExcluir
  25. "Seu Josafá" uma pinóia: OH! GranDiOso FÁ!

    Caro Bruno: Não mandou ainda! Demorô...

    Você se autoedita e eu automedito, quiá quiá quiá. Já fui faixa preta nesse troço vender livro em porta de teatro. Teve vezes que encontrei o Plínio Marcos fazendo concorrência comigo no Centro Cultural de São Paulo ou no Ruth Escobar. De raiva (jovem, eu era porteiro do Cineclube Bixiga) não deixava ele vender os dele na fila do cineclube. Ainda mais que ele só bebia chá, deixando a gente mal com nossas namoradas, uma vez que éramos movidos a outros tipos de combustíveis e elas apreciavam o estilo zen-capim-brabo dele.

    Obrigado pela rasgação de seda. Porém, deve ter percebido que já fui comparado nos cometários do Blog com Ralah Ricota, de modo que copei sua rasgação de seda em OFF e tasquei aqui, antes que você mudasse de idéia.

    Elogio em OFF só para mulher ou homem dos outros quando os outros e outras estão em outros ou outras, não necessariamente nessa ordem.

    Dá uma olhada também no blog de meu livro ERA UMA VEZ NO MEU BAIRRO:

    www.eraumaveznomeubairro.blogspot.com

    Elogia bastante, põe pra fora toda essa sanha elogiadora, assim eu tasco o comentário lá idem ibidem. Preciso aumentar minhas vendas junto ao proletariado.

    Amplexos procê e pro injustiçado Irrthum, que, aliás, apenas reconheceu que Poe tem um protuberante órgão genital enfiado na cara. Pela lógica das comadres tesoureiras, o Irrthum tinha cobrir (essa palavra ambígua lá na roça) com um lenço o ladrão de oxigênio do poeta ianque.

    Aliás, fica aqui a idéia. Afinal, HQ é isso, brincadeira, humor, GOZAÇÃO, ops, ato FÁLICO.

    Segundo de sabedoria oriental meditargumentativa do OH! GranDiOso FÁ:

    Quem não quer ver sexo, que não leia a Bíblia, principalmente Cântico dos Cânticos.

    ENCERRA-SE NESTE MOMENTO O SEGUNDO MEDITARGUMENTATIVO DO OH! GranDiOso FÁ!

    ResponderExcluir
  26. Oi, Fá.

    Vou ficar na expectativa... capricha! O seu blog é maravilhoso....

    Beijo...

    Marina

    ResponderExcluir
  27. Olha, meu caro OHGDF, trago aqui na boca da sua cena aquela minha resposta, ou réplica:
    "Oh, OH, pois é a vida de perguntar não diria que é mais fácil, mas respostas como essas eu também fico muito mais no vínculo da dúvida. Se o Grande Funcionário (da poesia) não responder, eu duvido de mim, duvido mesmo. Ora, vamos continuar fazendo as porras das perguntas, meu caro FÁ Maior. Abs"

    E olha, de novo, como corvo me vou voando daqui, que fui. Abs

    ResponderExcluir