segunda-feira, 12 de abril de 2010

Nova Antologia Poética, de Mário Quintana

Esta Nova Antologia Poética de Mário Quintana, comemorativa de seu centenário (1906-2006), reúne poemas representativos da obra do poeta cuja importância vai sendo crescentemente conhecida pelo público mais amplo e reconhecida pela crítica especializada.

O humor de Mário Quintana, inteligente no sentido e sutil na linguagem, é sempre a primeira mensagem a chegar ao leitor. Com palavras aparentemente despretensiosas, o poeta urde em exíguos espaços de poemas curtos verdadeiras máximas filosófico-irônicas, como neste “Poeminho do Contra”:

Todos esses que aí estãoAtravancando meu caminho,Eles passarão...Eu passarinho!”

Porém, nem só de humor é feito Quintana. Sua poesia é de grande diversidade. Se sua forma de abordar temas insalubres prefere, por vezes mas nem sempre, a tirada irônica ou mesmo sarcástica, na abordagem do sentimento de amor, por exemplo, sua abordagem é suave, avessa à pieguice e de um lirismo muito particular, senão profundamente comovente:

"Canção do amor imprevisto

Eu sou um homem fechado.
O mundo me tornou egoísta e mau.
E a minha poesia é um vício triste,
Desesperado e solitário
Que eu faço tudo por abafar.

Mas tu apareceste com a tua boca fresca de madrugada,
Com o teu passo leve,
Com esses cabelos...

E o homem taciturno ficou imóvel, sem compreender nada,
[numa alegria atônita...
A súbita, a dolorosa alegria de um espantalho inútil
Aonde viessem pousar os passarinhos!”


Os poemas de Quintana têm sempre um susto ou um estranhamento embutido. Se nos poemas curtos essa sensação atordoa o leitor de chofre, como um boneco de mola que salta da caixinha de surpresas, nos poemas mais extensos essa sensação vai sendo preparada com requintes de mágico ilusionista, de modo a que o leitor, ao atingir o ponto final do texto, veja surgir diante de si, como em passe de mágica, uma imagem inusitada.

Não por acaso, entre seus livros mais famosos estão O Aprendiz de Feiticeiro, Espelho Mágico e Baú de Espantos. Mário Quintana explora as possibilidades lúdicas e mágicas das palavras e seus efeitos encantatórios, hipnóticos e mesmo oníricos:

“Noturno

Nem tudo está
Mudando:
Durante o sono
O passado
Em cada esquina põe um daqueles antigos lampiões
E os autos, minha filha, esses ainda nem forma inventados...
Só essa velha carruagem rodando rodando.
Sobre as pedras irregulares do calçamento.”

Comparar os poemas curtos com os poemas mais extensos de Quintana presentes nesta Antologia é buscar compreender um poeta que abordou temas comuns ao homem do século XX por meio de uma linguagem incomum.

FONTE: Quintana, Mário. Nova Antologia Poética. 12 ed. São Paulo, Ed. Globo, 2007.

Nenhum comentário:

Postar um comentário